Terça-feira, 6 de Junho de 2006

Sol & Sombra


Sabem, na penúltima página do JL (Jornal de Letras, Artes  e Ideias) existe uma espécie de diário cultural, intitulado Sol & Sombra, escrito por Jorge Listopad. Mas é quando ele (para utilizar palavras suas) não é culturalmente concreto, mas talvez não seja abstracto, que eu gosto mais. Leiam-me estes pedacinhos de prosa:

Oitavo capítulo - Melancolia. Um homem jovem, só, sentado no jardim. Está fresco, mas ele não tem frio. No pequeno pavilhão, onde em tempos serviam chá, as galinhas andam a passinhos de galinha.
Está sentado durante muito tempo. Chega a irmã e pergunta: «Passa-se alguma coisa? O que tens? Ontem encontrei no sotão a tua boina, aquela à francesa.»
- Sim - diz ele.
- Queres que te prepare uma limonada? Ou algo quente ? Cacau?
Mas ele deseja que lhe traga a enciclopédia da melancolia. Ou o fim do mundo.

Décimo capítulo - O que é de ouro. O ouro é tépido. Não quebra. Os filões mais ricos encontram-se em Witwatersrand (África do Sul) e também nos Urais. O mais valioso na tua nuca.

Décimo primeiro capítulo - O profeta. Prenderam um profeta surdo. Não fazem ideia que todos os profetas são surdos como uma porta.


publicado por maratonista às 10:38
link do post | comentar | ver comentários (13) | favorito
Segunda-feira, 5 de Junho de 2006

blue Wine

Uma nova revista sobre vinhos anda aí nas bancas, blue Wine. Tem um artigo interessante, o Vinho e a Música, de autoria de Célia Lourenço, em que de entrada nos trás esta preciosidade de Sophia de Mello Breyner Andresen, in "A Menina do Mar":
"- Hoje trago-te um coisa da terra que é bonita e tem lá dentro alegria. Chama-se vinho. Quem bebe fica cheiode alegria.(...)
 - É muito encarnado e muito perfumado - disse ela - Conta-me o que é o vinho.
 - (...) Esta é a história do vinho, mas o seu sabor não sei contar. Bebe se queres saber como é.
E a menina do mar bebeu o vinho, riu-se e disse: - É bom e é alegre. Agora já sei o que é a terra. Agora já sei o que é o sabor da Primavera, do Verão e do Outono. Já sei o que é o sabor dos frutos. Já sei o que é a frescura das árvores.
Já sei como é o calor de uma montanha ao sol. Leva-me a ver a terra."
publicado por maratonista às 16:31
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 2 de Junho de 2006

O Monsto do Espaço



Apenas umas experiência divertida com uma fotografia.
O livro chama-se O Monstro do Espaço, de Robert H. Heilein
e a revista é a ÚNICA, do jornal Expresso, com uma reportagem sobre Nova Iorque.
publicado por maratonista às 19:54
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 1 de Junho de 2006

the day after

ponto 1. O Borba branco tanto vai bem com presunto fatiado como com camarão grande como ainda com codornizes grelhadas.

ponto 2. Quem se mete em longas patuscadas deve ter sempre gurosan em casa.

ponto 3. Este blogue encontra-se oficialmente de ressaca.
sinto-me:
publicado por maratonista às 10:34
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 31 de Maio de 2006

uma pausa

31 de Maio.
última quarta-feira do mês
aniversário do nascimento do grande poeta americano Walt Whitman
dia de estar com amigos
conversas ao redor da mesa, dos pratos, dos copos
uma pausa antes que o amanhã chegue
o calor volte a subir
e os bits e bytes conspirem para me porem
a mandar uns "bitaites" para a atmosfera
acerca dos autores de determinada aplicação
uma pausa, apenas uma pausa
publicado por maratonista às 16:26
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 30 de Maio de 2006

trabalho infantil

Tá um tipo na sua de se queixar de tudo (o calor, o calor, o calor) quando se depara com esta reportagem na revista ÚNICA, suplemento do jornal Expresso, acerca do trabalho infantil. Já nem falo do caso português mas sim da reportagem de Ana Sofia Fonseca no Peru.
Para começar uma fotografia de uma criança a entrar numa fabriqueta qualquer e o aviso, em letras grandes na parede amarela:
   AVISO
NO ROBAR PORQUE
SI TE VEO TE MATO

Depois aquelas frases de crianças trabalhadoras. Cito só duas:

«Imaginas o que é ter fome? É sonhar com um pedaço de arroz ou uma perna de frango e fingir que o estômago não doi para a mãe não ficar ainda mais triste.»
(Robinson Becerra, 12 anos)

«Se eu fosse uma princesa, assim como as dos contos, tinha uns sapatinhos de cristal, daqueles lindos! Ou de verniz...Ai, era tão bom! E vivia num palácio e tinha bonecas e não precisava de trabalhar. Gosto tanto de Barbies, o MANTHOC deu-me uma no Natal. Foi o presente mais lindo que tive, nunca tinha tido nenhum. Gostava tanto de ser princesa...Mas esta lama dava-ma cabo dos sapatos, tinha de viver num sítio com ruas a sério (sorriso). Já viste se eu fosse mesmo princesa? Ia para longe e nunca mais carregava tijolos.  É muito duro o meu trabalho. Eu ia ser uma princesa boazinha, não me ia esquecer de Deus nem dos pobres. Na tua terra as casas têm água? Eu quero ir à Europa, o Robin sabe muitas coisas, ele diz que lá não há lama e que as crianças não trabalham. Sou uma sonhadora, não é? (Suspiro)»
(Luz Roxana Diaz, 12 anos)

sinto-me: furioso
publicado por maratonista às 19:26
link do post | comentar | favorito

está calor, não está?

Parece que a vaga de calor está a passar, embora digam que volta a partir de Quinta.
É que não consigo acabar um treino sem que não fique de rastos, com uma perna a pedir licença à outra para a passar.
Entretanto, beber gasosa geladinha logo pela manhã faz com que a garganta comece a gritar pelo paracetamol.
publicado por maratonista às 15:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 29 de Maio de 2006

gaspacho amim, gaspacho a ti

Ah. Muito gosto eu destas prosas. Do nº 57 da revista EPICUR (já aí nas bancas) e acerca do gaspacho:
"Gregório Marañon, espanhol e homem grande das letras e da medicina, sobre o gaspacho à portuguesa dizia que «...o instinto popular adiantou-se em muitos séculos aos professores de dietética e essa emulsão de azeite em água fria juntamente com vinagre, sal, tomate, pão e pimentos contém tudo o que é necessário para sustentar trabalhadores sujeitos às condições mais duras». Falava dos ceifeiros do Alentejo, dobrados a ceifar de sol a sol. E acrescentava: «...se poderem beber um copo de vinho têm uma completa refeição.»
sinto-me: contente
publicado por maratonista às 19:31
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 26 de Maio de 2006

bizantinice

Isto é uma autêntica bizantinice

Investigadores desvendam enigma do ovo e da galinha
Um investigador, um filósofo e um avicultor acreditam ter desvendado um dos mais velhos e populares enigmas da humanidade: saber o que surgiu primeiro – o ovo ou a galinha, segundo a edição desta sexta-feira do diário britânico The Times.
A resposta para os pensadores e o avicultor é inequívoca: primeiro foi o ovo.
O argumento é que o material genético não se transforma durante a vida do animal, pelo que a primeira ave que no decorrer da evolução se transformou no que hoje chamamos de galinha existiu primeiro como embrião no interior de um ovo.
Para John Brookfield, especialista de genética evolutiva da Universidade de Nottingham (Inglaterra), a questão é bastante clara. O organismo vivo no interior do ovo tem o mesmo ADN que o animal que nascerá, pelo que «a primeira coisa viva que podemos qualificar sem receio de equívocos membro dessa espécie é o ovo».
David Papineau, especialista em filosofia da ciência do King´s College londrino, concorda com o seu colega: a primeira galinha saiu de um avo, e é um erro pensar que o primeiro ovo de galinha foi uma mutação produzida por pais de outra espécie.
«É um ovo de galinha se no seu interior estiver uma galinha», disse Papineau, exemplificando: «Se um canguru pusesse um ovo e dele saísse uma avestruz, o ovo seria de avestruz e não de canguru».
O jornal cita ainda Charles Bourns, avicultor e presidente de um organismo do sector avícola, que contribuiu também para o debate: «Os ovos existiam já antes de nascer a primeira ave. Claro que talvez não tivessem o aspecto dos de hoje», concluiu.

in diariodigital.sapo.pt
publicado por maratonista às 16:31
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

so beautiful to me

A gora, nas colunas do pc, Ivan Lins canta "Lembra de mim" e lembrei-me.
De ti.
Mas quando penso em ti só me vem à lembrança "You are so beautiful to me".
so beautiful
to me

(é bom que o raio da Primavera passe depressa que isto já esta a bulir demais comigo)

(post a descambar um bocado, mas um gajo tem às vezes destas coisas)

(e é bom que isto pare por aqui antes que me torne verborreico)
publicado por maratonista às 13:42
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Sol & Sombra

. blue Wine

. O Monsto do Espaço

. the day after

. uma pausa

. trabalho infantil

. está calor, não está?

. gaspacho amim, gaspacho a...

. bizantinice

. so beautiful to me

.arquivos

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds