Terça-feira, 31 de Maio de 2005

Dois miúdos

Vinha a subir a colina, manhã cedinho, à minha frente dois miúdos de 7/8 anos a caminho da escola. Uma carrinha para junto ao passeio, sai um fulano e dirige-se às traseiras. Quando levanta a porta traseira escapam dois patos pelo passeio a cima. Depois foi ver a cena do homem que apanhava um e corria atrás do outro e deixava escapar o primeiro, isto praí durante 3/4 minutos. Os dois miúdos parados a apreciar e sai uma pérola. Vira-se um para o outro: Olha, o Zézinho, o Luizinho e o Huguinho (os sobrinhos do tio patinhas) a jogar à apanhada.

publicado por maratonista às 10:42
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Segunda-feira, 30 de Maio de 2005

Carmen Dolores

No JL nº 904, já aí nas bancas, na última página, vem uma pequena autobiografia de Carmen Dolores (para além de grande actriz que mulher espantosamente linda ela era, aliás ela é nos seus oitenta). O interesse que há nas autobiografias, para além de um melhor conhecimento do biografado, está nas memórias que ele tem de outros que o influenciaram. No presente caso Carmen Dolores fala sobre o pai, o “jornalista brilhante” José Sarmento, e das suas memórias. desde o contacto com o Presidente da República António José de Almeida, passando por Raul Brandão, seu colega de liceu, ou Fialho de Almeida, Bulhão Pato, Gomes Leal até à colaboração com Eça de Queiroz. E a maneira como isso a influenciou nas leituras e na formação como actriz e passo a citar:”Então, depois de estas todas deambulações pelo passado eu corria às estantes à procura deste e daquele autor referido…e vivia já todos aqueles dramas e era todas aquelas personagens, mesmo não pensando sequer vir a ser actriz!”


Cármen Dolores conta também que foi com emoção que, ainda durante a guerra fria, visitou em Moscovo a casa em que Anton Tchekov (nas suas palavras: o seu mais amado dramaturgo) tinha o consultório (agora museu). Deixo-vos os dois últimos parágrafos da autobiografia:


”E como nota final: quando representamos num palco, os nossos «serões» são partilhados com o público. Estabelece-se uma permuta de sentimentos.


E se esse público se entrega, se sabe ouvir e sentir, em comunhão com o autor e os actores, ajudados pela visão do encenador, todos sairemos mais ricos, para melhor viver a vida do dia seguinte.

publicado por maratonista às 19:27
link do post | comentar | favorito

A Bela Angevina

José-Augusto França vai publicar (já aí deve estar nas livrarias) um romance que tem como principal personagem Eça de Queiroz e as suas aventuras por Angers (França). É baseado numa fotografia em que Eça aparece com o irmão Alberto e uma jovem senhora que ninguém conhece. Esse romance, intitulado A Bela Angevina, parece-me, pelo pequeno trecho trazido a público no JL nº 903, um verdadeiro achado. Interessante nisto tudo e que José-Augusto França nos conta num artigo sob o título Cartas Persas é que ele próprio tem uma ligação a Angers visto a sua mulher ser “angevina de várias gerações – tendo os pais tido bodas no Hotel du Cheval Blanc...” . Hotel du Cheval Blanc onde Eça de Queiroz se hospedara nos finais do século dezanove sendo o célebre conto O Mandarim sido lá escrito, datado de Julho de 1880.

publicado por maratonista às 14:13
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 27 de Maio de 2005

Sexta de ora bolas

Mais uma sexta-feira e no entanto a última sexta-feira.
Passo a explicar:

Habituei-me às sextas-feiras a ler a crónica que João Bénard da Costa tem no jornal Público; A Casa Encantada. Hoje, junto com mais uma crónica imperdível, vem a notícia de que vai ser atirado para o domingo.


É pá, estou chateado. Para mim o fim-de-semana começava sempre à sexta-feira de manhã com a leitura da sua crónica. Assim encurtam-me o descanso. Eu sei que "ninguém sexta toda a vida e que aos 17 anos já se tem tamanho para vestir de domingueiro" (17 anos de crónicas de JBCa começar nos primeiros tempos do Independente) mas mesmo assim...bolas! Deixo-vos o último parágrafo da crónica...para abrir o apetite:


"E um dia, enfeitiçado, já estava de novo em Lisboa, como se nada se tivesse passado e como se não tivesse estado a fazer de Caronte, à proa de uma gôndola entre os dragões de Carpaccio e os anjos músicos do Bellini de San Zaccaria. Esta é a vida de hoje? Não, esta foi a minha vida de ontem, o dia dos impossíveis acontecidos.

publicado por maratonista às 11:35
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Terça-feira, 24 de Maio de 2005

A ideia do outro

O jornal Público de hoje, terça-feira, numa iniciativa que mantém desde 1999, "é inteiramente ilustrado por cartoonistas e desenhadores associados ao Salão Lisboa de Ilustração e BD 2005. Desenhos originais.

Mas não era sobre isso que eu venho falar mas sim de uma coincidência. Fernando Ka, num artigo intitulado Discriminação racial ou os novos velhos do Restelo, em que responde a críticas feitas por Rui Pena Pires a um anterior artigo seu, Os negros no país de exclusão racial, fala das "reações negativas nalgumas pessoas que insistem teimosamente que em Portugal não há racismo". Exactamente ao lado (daí eu falar de coincidência, Eduardo Paulo Coelho na sua coluna O fio do horizonte escreve sobre Paul Ricoeur, pensador francês que morreu na sexta-feira passada. Deixo-vos apenas um pequeno trecho: "...só existe para nós um tempo que seja um tempo narrado, e que a história de cada um de nós, a nossa identidade, é a narrativa que contamos aos outros (e a nós mesnos) do que nós próprios somos. Como qualquer narrativa, é feita de bifurcações e indeterminações...E vai mostrar que o sujeito se define, não pela sua mesmidade, mas por um conceito mais dúctil, que é a sua ipseidade ("Ele próprio como um outro").-"

publicado por maratonista às 14:03
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Segunda-feira, 23 de Maio de 2005

Do fim-de-semana

Quem será o pianista? Esta história de um ser humano que é encontrado a vaguear junto ao mar, sem memória e que só comunica através da música é tocante. Mais uma vez a realidade ultrapassa a ficção.

Ouvido na rádio este fim-de-semana, numa conversa do prof. Amaral Dias com um jornalista acerca de uma crónica de Rosa Mantero, creio que no El País:

A cena passa-se no refeitório duma universidade alemã. Uma rapariga loura, uma alemã de cepa, leva o tabuleiro da refeição para a mesa, pousa-o e repara que se esqueceu da sobremesa. Deixa o tabuleiro em cima da mesa e vai buscar a sobremesa; quando chega à mesa vê um estudante de origem africana a comer do seu tabuleiro. Ficando de início furiosa decide, no entanto, levar as coisas por outro caminho utilizando a psicologia. Senta-se em frente ao rapaz e começa a conversar com ele enquanto vai tirando comida do mesmo tabuleiro e comendo. Tudo se passa normalmente e quando estão a acabar ela repara que na mesa por detrás do rapaz está um tabuleiro com comida e sem ninguém. Repara também que na cadeira junto a essa mesa está o seu casaco. Não me vou alongar acerca do caso na sua vertente xenofoba, o estudo psicológico ao comportamento da rapariga dava pano para mangas. Fica uma constatação: a de que o rapaz não disse nada quanto ao facto de ela estar a tirar comida do tabuleiro dele. E fica uma pergunta: o que terá ele ficado a pensar acerca daquela rapariga alemã?

publicado por maratonista às 14:01
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
Sexta-feira, 20 de Maio de 2005

Por aí

Hoje no Ritornello, da Antena 2, tornaram a passar um pouco da voz de Thomas Man no seu discurso aos alemães. Vou ver se encontro nalguma livraria os seus diários. Fico também a saber que Thomas Man foi amigo do maestro Bruno Walter. Passei os olhos pelos velhos discos de vinil que tenho e, sim senhor, está na minha discoteca. Um LP em que Bruno Walter conduz a Orquestra Sinfonica da Columbia (uma etiqueta discográfica) nos três movimentos instrumentais da nona sinfonia de Beethoven.

No Courrier Internacional que está aí nas bancasvem uma história catita.
Então é assim: a mexicana Maribel Dominguez joga futebol oficial numa equipa masculinas do seu país. Devido aos seus dotes de goleadora é chamada de "Marigoal". Devido às suas qualidades a federação mexicana autoriza qua jogue pela equipa nacional mexicana. O problema vem depois, a FIFA veta a sua integração numa equipa masculina.
Desculpem lá ó senhores da FIFA mas isto (se me desculpam a expressão) é revelar uma grande falta de tomates.

publicado por maratonista às 19:40
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 19 de Maio de 2005

Final de dia

Neste final de dia:

Vinha agora do estádio e no autorádio, sintonizado na Antena 2 para ouvir o Ritornello, passaram uma preciosidade que tinham ido buscar aos arquivos: A gravação de uma mensagem de Thomas Man ao povo alemão gravada em Janeiro de 1941 em Nova Iorque. Foi só um minutinho, até porque estava em alemão e a maior parte de nós não o compreende, mas aquela sensação de se estar a escutar história fica dentro de nós. Isto a propósito de que já aí está o filme A queda, sobre os últimos dias de Hitler. Pelas criticas que tenho lido vale a pena.

Hoje acontece mais uma efeméride triste: faz 51 anos que Catarina Eufémia foi assassinada. Agradecimentos a Daniel Arruda Troll Urbano pela lembrança.

publicado por maratonista às 19:47
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

a whiter shade of pale

Estaciona o carro. Sobe as escadas e bate à porta. Cá fora os sons de música diziam-lhe que a festa já ia adiantada. Entra. Serve-se do ponche e dá uma vista de olhos pela sala. A um canto, junto à janela, vê-a abraçada e a beijar alguém conhecido. A whiter shade of pale dos Procol Harum tocava alto dentro da sua cabeça.


We skipped the light fandango

turned cartwheels 'cross the floor

I was feeling kinda seasick

but the crowd called out for more

The room was humming harder

as the ceiling flew away

When we called out for another drink

the waiter brought a tray


And so it was that later

as the miller told his tale

that her face, at first just ghostly,

turned a whiter shade of pale


She said, 'There is no reason

and the truth is plain to see.'

But I wandered through my playing cards

and would not let her be

one of sixteen vestal virgins

who were leaving for the coast

and although my eyes were open

they might have just as well've been closed

publicado por maratonista às 14:14
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 17 de Maio de 2005

Por hoje

Bom, devo confessar que a administração dos blogues do Sapo foi eficiente. O spam que me atacava nos comentários dos postos antigos, assim como a outros, foi travado graças ao novo sistema de comentários (aquela coisa do "copiar o texto do lado").
Agora estou numa altura de muito trabalho (e vocês sabem: conhaque é conhaque, serviço é serviço), portanto se notarem que apareço pouco é por isso.
Junho vai ser mês de férias, ainda não sei o que vou fazer ou por onde vou andar mas logo se verá.
publicado por maratonista às 19:56
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Sol & Sombra

. blue Wine

. O Monsto do Espaço

. the day after

. uma pausa

. trabalho infantil

. está calor, não está?

. gaspacho amim, gaspacho a...

. bizantinice

. so beautiful to me

.arquivos

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds