Segunda-feira, 31 de Outubro de 2005

sobre a economia solidária

Isto tem andado um bocado parado. Acho que é do Outono, embora eu até goste muito dos tons outonais. No suplemento de economia do jornal Expresso, deste fim-de-semana, Alexandre Coutinho escreve sobre uma alternativa na economia:
"A economia solidária é a resposta «às quatro autênticas bombas-relógio que a humanidade tem debaixo dos pés e que ameaçam dramaticamente o seu futuro», afirma Rogério Roque Amaro do ISCTE."
"Mas o professor do ISCTE vai mais longe:«A economia social abrange não apenas os homens mas todos os seres vivos, os nossos colegas da natureza (as plantas e os animais), que também foram marginalizados e excluídos. A pobreza é um conceito ecológico»."
E eu quero repetir essa frase porque vale a pena pensar nela, a pobreza é um conceito ecológico!
publicado por maratonista às 10:55
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 25 de Outubro de 2005

Um pássaro

Um pássaro, pousado num galho da árvore defronte à minha janela. Não sei que árvore é aquela, não sei que pássaro é aquele, apenas sei que é Outono e que um pássaro está pousado num galho de uma árvore defronte da minha janela. Parado, encolhido, de olhos fechados. Dorme talvez, e eu pergunto-me se os pássaros dormem de dia e se quando dormem também sonham e se sonham com o que sonham. Talvez com calor, talvez com fartura, talvez com outros pássaros. É apenas um pássaro pousado num galho defronte da minha janela num dia de Outono mas deixou-me taciturno, contemplativo, ansioso.
Um pássaro estava pousado num galho da árvore defronte à minha janela. Caiu, petrificado pela ausência de vida e tornou-se jantar de gato vadio, abandonado por alguém cujos sentimentos não vão além da sua imagem reflectida num espelho qualquer. Se fosse pássaro e pudesse escolher acho que preferiria acabar na barriga de um gato vadio do que pendurado à cintura de um caçador como troféu de um qualquer feito.

publicado por maratonista às 19:36
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Rosa Lee Parks

Hoje morreu uma grande mulher, Rosa Lee Parks, com 92 anos de idade. Noticia via Troll Urbano. Vão lá ler.
publicado por maratonista às 14:16
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 24 de Outubro de 2005

O sismo no Paquitão

No último número do jornal Expresso, Fernando Madrinha, na coluna Preto no Branco, dá-nos conta de algo que se está a passar. A tragédia (mais uma) que está a acontecer no Paquistão só vagamente passa nas rádios, televisões e jornais; e no entanto a dimensão da tragédia é algo que ninguém sabe dizer os números. Na semana passada era 50 mil mortos mas dentro de uma semana pode chegar aos 150 mil se o socorro não chegar às montanhas e às aldeias devastadas pelo terramoto. O artigo vem com uma foto de um paquistanêscom um iolhar intenso "entre o interrogativo e o acusador, diz tudo o que precisamos de saber sobre o medo e a força, o luto e a raiva, a resignação e o abandono. Tudo sobre a enorme solidão a que está entregue. Fernando Madrinha escreve que "Há uma velha regra do jornalismo segundo a qual uma briga na taberna da rua vale mais como notícia do que uma catástrofe em qualquer país distante". Mas se nos esquecemos de olhar e pensar e sentir o sofrimento alheio que piedade e justiça e respeito queremos para nós?

publicado por maratonista às 15:47
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Quinta-feira, 20 de Outubro de 2005

conversas

- É pá, vai um gajo a passear por estas estradas secundárias a pensar no raio da vida e no que ela se transformou, cheio de comiseração por si próprio, quando no auto-rádio passam os Gipsy Kings a cantar o My Way (a mi manera). Começa a sentir a mistura das sensações de humor com melancolia e lembra-se da história daquele fulano, executivo de sucesso, que se atira do alto de um arranha-céus de Manhatan. Na sua corrida para o topo do sucesso tinha sacrificado tudo; os sonhos da juventude, a mulher que amava, a própria dignidade. Mas o que fez atirar-se do alto do edifício foi o saber que um zé-ninguém lá da terra era um capitão da indústria, pessoa altamente “badalada” e que teria, sempre, um lugar à sua frente no restaurante preferido da moda. Isso, ele não aguentou. E põe-se a pensar que talvez não tenha caído tão fundo que não pudesse levantar-se.


- Olha, eu, é mais prosaico. Passava numa estrada, ali no vale do Ave, onde costumam estar prostitutas à beira da estrada (algumas tão jovens, deus que não és meu) quando passa no auto-rádio o Bob Dylan a cantar Lay Lady Lay. Senti arrepios.


publicado por maratonista às 20:25
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 19 de Outubro de 2005

Sociedade Anónima

Para quem ainda não reparou há um novo blogue feminino na net. Escrito a várias (muitas) mãos, e penso que aberto a mais mãos femininas, é um blogue a ter muito em conta. Endereço aqui em baixo:

Sociedade Anónima

publicado por maratonista às 14:58
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 18 de Outubro de 2005

Mariana

ze.JPG
A minha sobrinha Mariana (aqui ao colo do pai) faz hoje um aninho. Parabéns para a querida sobrinha e para os pais.
publicado por maratonista às 13:45
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 17 de Outubro de 2005

viva el torero

E. entrou no banco e dirigiu-se o balcão. Pediu para falar com um gestor de conta pois queria abrir conta naquela dependência. Já sentada defronte para o bancário explica que vai abrir a conta com 500 euros e que depositaria diariamente a quantia ganha na sua profissão querendo que o gestor de conta utilizasse dois terços do valor da conta em aplicações financeiras que melhor a beneficiassem. O gestor pergunta-lhe calmamente quanto pensava em depositar mensalmente e ela respondeu-lhe que variava entre seis e os doze mil euros. Curioso, ele perguntou-lhe que tipo de negócio era o dela. Ela respondeu-lhe: a prostituição. Ele olhou de alto abaixo, avaliou, e passados alguns segundos perguntou: e quanto é que a menina leva? Ela olhou-o friamente e disse cortante: há aqui um pequeno engano. Eu não me prostituo. Sou a agente de vários cavalheiros jovens que proporcionam prazer a mulheres mais velhas mas com meios financeiros elevados. E por falar nisso o senhor tem um excelente aspecto, se quiser trabalhar neste ramo fale comigo. Olhe que ganha-se muito bem.


No silêncio que se formou só se ouvia o som da música ambiente, uma ária da opera Carmen de Bizet – viva el torero.
publicado por maratonista às 20:36
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

frases

Frases apanhadas no suplemento Economia & Internacional do último número do jornal Expresso:
Nicolau Santos acerca dos laboratórios condenados a pagar uma coima: "Lamentavelmente, ainda não produzem medicamentos para doenças como a ganância, a falta de escrúpulos ou de respeito pelos outros. Bem precisavam de os tomar".
Jorge Fiel na coluna Invisíveis Correntes: "Há mais vida e entusiasmo no cemitério dos Prazeres à meia-noite do que na nossa economia."
Victor Gonçalves na coluna Capital Permanente: "Os bons gestores jogam xadrez. Os gestores medíocres jogam às damas."
publicado por maratonista às 11:30
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 14 de Outubro de 2005

sexta cinzenta

Sexta-feira. Ponto final na semana de trabalho e abre-se o parêntesis do fim-de-semana (daí que muitos prefeririam viver entre parêntesis). Do meu local de trabalho olho pela janela e o meu olhar perde-se a seguir uma bonita mulher, o corpo fica sentado em frente ao computador mas a mente já voa. Sexta-feira, sexta-feira, e as cinco por bater. A las cinco en punto de la tarde como diria Federico Garcia Lorca, assassinado pelos fascistas. Aqui ao lado alguém tem uma discussão consigo próprio por causa de um trabalho que fez e que vai ter que refazer, é o cansaço, é o cansaço, e a falta de paciência para nos aturarmos a nós próprios, às nossas manias, aos nossos sonhos rejeitados, às nossas esperanças perdidas em qualquer esquina da vida e que outrém encontrou a vaguear num beco escuro e com elas fez amor. Perdidas. E o tempo cinzento, como que a querer imitar a vida. Cinzento de cinza. Do lado de fora da janela passa a vida e eu aqui a espreitar como um peixinho vermelho num aquário. Bom...desde que não me afogue. Bom fim-de-semana.

publicado por maratonista às 15:41
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Sol & Sombra

. blue Wine

. O Monsto do Espaço

. the day after

. uma pausa

. trabalho infantil

. está calor, não está?

. gaspacho amim, gaspacho a...

. bizantinice

. so beautiful to me

.arquivos

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds