Terça-feira, 24 de Maio de 2005

A ideia do outro

O jornal Público de hoje, terça-feira, numa iniciativa que mantém desde 1999, "é inteiramente ilustrado por cartoonistas e desenhadores associados ao Salão Lisboa de Ilustração e BD 2005. Desenhos originais.

Mas não era sobre isso que eu venho falar mas sim de uma coincidência. Fernando Ka, num artigo intitulado Discriminação racial ou os novos velhos do Restelo, em que responde a críticas feitas por Rui Pena Pires a um anterior artigo seu, Os negros no país de exclusão racial, fala das "reações negativas nalgumas pessoas que insistem teimosamente que em Portugal não há racismo". Exactamente ao lado (daí eu falar de coincidência, Eduardo Paulo Coelho na sua coluna O fio do horizonte escreve sobre Paul Ricoeur, pensador francês que morreu na sexta-feira passada. Deixo-vos apenas um pequeno trecho: "...só existe para nós um tempo que seja um tempo narrado, e que a história de cada um de nós, a nossa identidade, é a narrativa que contamos aos outros (e a nós mesnos) do que nós próprios somos. Como qualquer narrativa, é feita de bifurcações e indeterminações...E vai mostrar que o sujeito se define, não pela sua mesmidade, mas por um conceito mais dúctil, que é a sua ipseidade ("Ele próprio como um outro").-"

publicado por maratonista às 14:03
link | comentar | favorito
6 comentários:
De Anónimo a 27 de Maio de 2005 às 09:33
Infelizmente, acho que todos somos, lá no fundo, um pouco racistas... bj e bom fdsfernanda
(http://apenasmaria.blogs.sapo.pt)
(mailto:apenas-maria@sapo.pt)
De Anónimo a 26 de Maio de 2005 às 13:08
Olá Carlos! Venho desejar-te um bom feriado (estou muito contente com ele, o feriado!), deixar beijinho e dizer que o Ricoeur é um estruturalista da comunicação...cuidado... Beijo! :))***so12
(http://www.naoeshomem.blogs.sapo.pt)
(mailto:so12@sapo.pt)
De Anónimo a 25 de Maio de 2005 às 23:30
Claro que há racismo! Pergunto-me se esses senhores são cegos.lyra
</a>
(mailto:notasdelyra@gmail.com)
De Anónimo a 24 de Maio de 2005 às 21:51
"a história de cada um de nós, a nossa identidade, é a narrativa que contamos aos outros" Devo acrescentar que há também os outros, os que nos leem nas entrelinhas... E estou em crer que quem mais bate o pé a dizer que não há, é quem olha de lado...sofia
(http://otecto.weblog.com.pt)
(mailto:otecto@gmail.com)
De Anónimo a 24 de Maio de 2005 às 21:01
claro que há racismo em Portugal, como em todo o mundo e entre todas as espécies. não só entre raças, mas acima de tudo, entre etenias e culturas. sem racismo também não haveria anti-racismo e assim tudo deixaria de fazer sentido.0ares5a
(http://enquantoaonda.blogspot.com)
(mailto:trapicia@hotmail.com)
De Anónimo a 24 de Maio de 2005 às 19:58
Pois é Carlos...teorias pós modernistas, desta vez a atirar para o absurdo aristotélico, uma vez que essa definição tem barbas, a roupagem é que é "nova"... nós definimo-nos SEMPRE por oposição. É a das poucas formas de obter a nossa identidade...mas agora definirmo-nos por oposição a nós mesmos, já implica uma desfragmentação à Ezra Pound... e em que ficamos, perguntaria Descartes? Somos, ou não somos? Racistas... somos todos: encantados ou assustados, porque os há destas duas naturezas apenas...gostei muito da tua reflexão. Aqui pode-se pensar. Obrigada. Beijinho! :))****so12
(http://www.naoeshomem.blogs.sapo.pt)
(mailto:so12@sapo.pt)

Comentar post