Quinta-feira, 16 de Dezembro de 2004

Memorias II

Souselas. A poucos quilómetros de Coimbra, creio que agora é vila mas não tenho a certeza. Na minha meninice era aldeia e a minha familia materna tinha lá casa. Isto foi antes de lá ser instalada a cimenteira (e eu não consigo perdoar aquele desgraçado que era gozado no contra-informação por champoulimão; que vá arder no inferno que eu não esqueço do choque que foi ver os telhados das casas, os quintais e os campos cobertos por pó de cimento).


Lembro-me de finais de verão, com as férias grandes a acabar, e ver passar os carros de bois carregados de cachos de uvas das vindimas e nós miúdos a correr atrás deles, trepando por eles para tirar doces uvas. Nunca nenhumas outras uvas me souberam tão bem. Lembro-me de ir brincar com os outros miúdos, descalço como eles para ser um igual, e a minha avó a gritar-me para calçar os sapatos.


O rés-do-chão da casa dos meus avós antes tinha sido um lagar mas, depois de um trabalhador lá ter morrido afogado no mosto por ter desmaiado com os vapores, o meu avô, homem sensível, resolveu acabar com o lagar. Encontrando-se dividido, o rés-do-chão foi alugado a duas pessoas, de um lado ficou uma oficina de bicicletas, do outro um sapateiro. Gostava de ficar largos tempos a vê-lo trabalhar. Benfiquista ferrenho, com galhardete pendurado na parede e uma águia de porcelana em cima do armário, ficava a discutir com o carteiro, outro benfiquista ferrenho, os feitos da equipa e o valor dos seus jogadores. O carteiro, que se deslocava na primeira bicicleta motorizada que eu vi, daquelas originais com o motor sobre a roda da frente, tinha junto ao guiador uma bandeirinha do benfica. Desconfio que muitas vezes as acabava a ronda muito mais tarde por causa dessas discussões.


Às vezes, com os meus cinco ou seis anos, chamava o meu cão, o rim-tim-tim, atravessava a aldeia e subia até os montes circundantes onde existiam antigos moinhos em ruínas. Gostava de andar ali no alto em contacto com a natureza e aperceber-me da vastidão do mundo e o quanto somos pequenos. Bons tempos.

publicado por maratonista às 11:42
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Sol & Sombra

. blue Wine

. O Monsto do Espaço

. the day after

. uma pausa

. trabalho infantil

. está calor, não está?

. gaspacho amim, gaspacho a...

. bizantinice

. so beautiful to me

.arquivos

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds