Sexta-feira, 29 de Outubro de 2004

Sozinha III (Epílogo)

A pedido da Fernanda tentei arranjar um final feliz para a Sozinha.


Quando bateram as cinco da tarde resolvi fechar o computador e ir embora de fim-de-semana. Era sexta-feira e a semana tinha sido cansativa. Saí. Dirigi-me para a avenida com o pensamento no dia anterior, no que tinha visto, e pressentido, quando estava a tomar um café. As coisas que passam pelo pensamento de um homem, aquilo de que eu me tinha apercebido era uma tragédia pessoal. E ela era tão bonita, mesmo com os olhos tristes, magoados, húmidos. Mas lá dentro, a brilhar, uma chama. Sorri-lhe quando ela saíu, fitando-a nos olhos, nos seus lindos olhos magoados. Agora ia para lá, pensando que talvêz ela lá estivesse.


Quando entrei passei os olhos pela sala, à sua procura, mas ela não estava. Pedi ao Agostinho uma bica comprida e sentei-me a um canto a ler um pouco do meu querido Pablo Neruda. O criado veio trazer-me o café, bebi um gole e, quando levantei a cabeça, reparei que ela vinha a entrar. Foi sentar-se, não perto da janela que ela ontem mirava com tanta frequência, mas mais perto do lado da sala onde eu estava. Pediu um café (ontem estava a beber chá) e olhando à volta da sala os olhos deram comigo e sorriu. Se eu já tinha achado aqueles olhos lindos, agora o espanto de tanta beleza nesses seus olhos a sorrir deu-me um frenezim interior. Sorri-lhe de volta e ela baixou a cabeça, sorrindo, para a revista que levava.


Não sou de grandes coragens emocionais. Física e intectualmente não tenho medo de nada ou ninguém mas, emocionalmente, não sou de grandes coragens, como a maioria de homens segundo penso. Aí as mulheres batem-nos por larga margem, são muitíssimo mais corajosas que nós. De qualquer maneira sabia que tinha que tentar qualquer coisa, já tenho arrependimentos demais para arranjar mais um. Levantei-me e dirigi-me para a porta ao mesmo tempo que ela e quando segurava a porta para ela sair meti conversa, aquelas coisas do tempo que são a muleta universal de quem mete conversa com alguém que não conhece. Perguntei-lhe o nome e disse que se chamava Ester e eu disse-lhe que era um bonito nome a acompanhar os mais lindos olhos do mundo. Quando lhe disse isto deu-me mais um dos seus sorrisos absolutamente deslumbrantes que estavam a começar a desestabilizar o coração. Fiz-lhe um convite: perguntei-lhe se gostaria de me acompanhar a ver a ópera Carmina Burana que iria acontecer no dia seguinte, e ela disse que sim.


Amanhã, depois do concerto, vou levá-la a jantar. Acho que lhe vou sussurrar aos ouvidos um poema que estou a fazer com o seu nome. E depois peço-lhe namoro. Espero que não me ache demasiado antiquado.

publicado por maratonista às 19:37
link | comentar | favorito
6 comentários:
De Anónimo a 2 de Novembro de 2004 às 15:59
400 e tal km??? bolas.. já morei mais perto de ti... à cerca de 1 ano e meio morava no puorrrrto! Poisé...aragana
</a>
(mailto:aragana@sapo.pt)
De Anónimo a 2 de Novembro de 2004 às 13:57
Mas os finais felizes são só mesmo nos contos!!!Aragana
(http://www.aragana.blogs.sapo.pt)
(mailto:aragana@sapo.pt)
De Anónimo a 2 de Novembro de 2004 às 10:38
Obrigado por teres dado à Ester um contozinho de fadas! Se não te importas, continua a história... Beijo grande seu tio babado! Que tal mandares uma foto do rebento?fernanda
(http://apenasmaria.blogs.sapo.pt)
(mailto:apenas-maria@sapo.pt)
De Anónimo a 1 de Novembro de 2004 às 14:41
Gostei por demais das palavras que aqui encontrei em teu diário... são carregadas de sentimento e alma. Parabéns, Continue... Quando puderes retribuir minha visita, ficarei por demais honrado. Fique na pazRonin
(http://lutoporvoce.blogs.sapo.pt/)
(mailto:ronin@ronin.com)
De Anónimo a 31 de Outubro de 2004 às 20:06
Não há nada melhor que os homens saberem cuidar de uma mulher... mesmo quando ela não é uma maçã do topo... ;-) beijoElsa
(http://delirios2004.blogs.sapo.pt)
(mailto:elsa_aguiar2004@sapo.pt)
De Anónimo a 31 de Outubro de 2004 às 03:08
:-) gostei do final feliz e aposto que ela vai adorar e não vai achar nada antiquado :-) as mulheres adoram homens cavalheiros, mesmo que digam que são emancipadas e essas coisas, no fundo elas gostam que as mimem :-) beijo do coraçãomyryan
(http://outrademim.blogs.sapo.pt)
(mailto:myryan@sapo.pt)

Comentar post