Segunda-feira, 27 de Setembro de 2004

...

João Medina, no JL, no artigo Brel forever.


 E, assim, ao partir tão cedo, Brel lograva ficar eternamente jovem, sem tempo de se converter num daquela récua de "cons" estupores que ele denunciava como o produto fatal do envelhecimento e da matura idade, daqueles jovens que começavam poe se darem ares de Casanova ou Voltaire, para mais tarde acabarem como notários, advogados, proprietários, académicos, generais, juízes ou carrascos, queixando-se das irreverências dos moços atrevidos e insolentes que os invectivavam e lhes mostravam os seus rabos...Agora que Brel se foi, só a sua pura voz nos resta, voz eternamente jovem,para os jovens do mundo intereiro aprenderem a ser irreverentes e causticos contra os cerdos desta imensa Bélgica planetária que vai de Buenos Aires a São Petersburgo e de São Francisco a Calcutá.

publicado por maratonista às 15:04
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Sol & Sombra

. blue Wine

. O Monsto do Espaço

. the day after

. uma pausa

. trabalho infantil

. está calor, não está?

. gaspacho amim, gaspacho a...

. bizantinice

. so beautiful to me

.arquivos

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds