Quarta-feira, 8 de Setembro de 2004

...

Batidas do coração ao ritmo do comboio.


Quando o comboio arrancou a rapariga que ia sentada junto à janela nem se deu conta, mergulhada que estava nos seus pensamentos. Tinha-a visto entrar no compartimento e dar uns bons dias meio sumidos como se o que se passava à sua volta só muito esbatidamente lhe chegasse ao pensamento. E ali continuava, encostada para trás com os braços cruzados e a cabeça pendendo para baixo, imersa no seu mundo interior. Perguntei-me o que lhe passaria pela cabeça, era um arapariga nova, 20 e poucos anos, uma pequena mala, que tinha colocado no espaço superior, para isso indicado, do compartimento era toda a sua bagagem. Finalmente levantou o olhar, e olhou pela janela, mas era um olhar sem ver, como se o que busca-se não fosse ver mas apenas descansar o olhar em algo diferente que os sapatos. Quando o comboio parou noutra estação ela levantou-se do lugar para espreitar para fora da janela como se espera-se algo acontecer e ali se manteve até o comboio partir de novo. E uma vez mais se foi sentar, encostada para trás e com os braços cruzados, sobronho franzido e olhar fito na biqueira dos sapatos. Um casal entrou no compartimento, provávelmente tinham entrado na estação que acabaramos de deixar, e, conversando alegremente, foram sentar-se perto da rapariga. Quando a rapariga reparou no casal eu comecei a perceber alguma coisa. Aquela alegria toda, que para outra pessoa poderia ser contagiante, para ela era algo de ofensivo. Depois da reação inicial voltou, apesar de tudo, à sua atitude inicial, quase de casmurrice, de braços cruzados e olhar fixo nos sapatos. Pouco depois o comboio começa a travar e a apitar repetidamente. Ainda estavamos longe da próxima estação e intrigado espreitei pela janela. A algumas centenas de metros estava um carro na linha e um rapaz junto dele. Quando o comboio parou, a uns escassos 20 metros do carro o rapaz veio ao longo do comboio, com dois funcionários da CP furiosos atrás dele, até parar junto à nossa janela. Olhou para a rapariga e disse:


Não vás, Fica. – ao mesmo tempo tirou um anel do bolso e mostrando-o à rapariga perguntou: - Casas comigo?


Palavra que nunca vi ninguém mudar tão depressa de expressão: És mesmo maluco! – exclamou enquanto se debruçava na janela para o beijar.


 PS- alguém se lembra do anúncio televisivo a um carro de marca francesa(julgo que o 205) parecido com a parte final desta estória..

publicado por maratonista às 14:23
link do post | comentar | favorito
5 comentários:
De Anónimo a 9 de Setembro de 2004 às 11:29
Adorei esta estória... acho que qualquer mulher ( e porque não homem) sonha com uma cena destas na sua vida... daquelas coisas lindas para contar aos netos!!! Quem sabe um dia...

Nota Mental: Deixar o carro à porta de casa...
Beijinhos,

Rute
(http://comecardenovo.blogs.sapo.pt)
(mailto:rutespimenta@sapo.pt)
De Anónimo a 9 de Setembro de 2004 às 10:47
A ser real e a acontecer o casamento, esse será uma pequeno grande acto que irá ajudar naqueles momentos difíceis, em que irá relembrar aos dois o quanto se amam!Hope you know who
(http://celtis.blogs.sapo.pt)
(mailto:luismreis@hotmail.com)
De Anónimo a 9 de Setembro de 2004 às 10:23
Por alguma razão o comboio é o meu meio de transporte favorito! Beijofernanda
(http://fernanda.blogs.sapo.pt)
(mailto:fernandadias@sapo.ptf)
De Anónimo a 9 de Setembro de 2004 às 00:43
Que lindo.... tal como a Tita, quem dera que isto me acontecesse.. alias, acho que é o sonho de qualquer pessoa. obrigado por nos fazeres felizes, pelo menos sonhando com bons momentos!!! beijinhospatricia
</a>
(mailto:titita___@hotmail.com)
De Anónimo a 8 de Setembro de 2004 às 15:35
linda historia! adorei kem me dera k me acontecesse isto...mas a mim td é impossivel...beijinhos Carlos* *Tita
(http://www.titinhah.sapo.blogs.pt)
(mailto:titinhah@hotmail.com)

Comentar post