Quarta-feira, 5 de Abril de 2006

Isto está lindo, está.

Hoje no jornal Público António Vilarigues, consultor de sistemas de informação, conta esta história, fruto de cumplicidades múltiplas de diversas forças partidárias:

É uma câmara de um concelho com pouco mais de 8500 habitantes e isto passa-se neste século XXI. Tomada de posse de novo elenco camarário. Gabinete do ex-presidente. Dossiers vazios. Computador com o disco limpo de dados. Em cima da mesa um pistola. Ao lado um carregador com as respectivas balas. Ao centro da secretária um afolha em branco e uma esferográfica.

Poucos minutos passados e toca o telefone. Ameaça de corte de energia por não pagamento das respectivas facturas.

E A.V. pergunta: Espantado? Estupefacto? Não se levante.

E continua.

Nos últimos 30 anos os habitantes do concelho têm muito que contar.

A câmara promoveu a construção de instalações para uma escola profissional. Passado pouco tempo as mesmas passam para uma fundação ligada ao presidente da edilidade. Escusado será dizer que a escola está fechada sem cursos e sem alunos.

Sucessivos presidentes, certamente com o fruto das suas poupanças, ampliaram largamente o seu (deles) património imobiliário.

E A.V. pergunta: De boca aberta? Incrédulo? Prepare-se que há mais.

O orçamento anual é de 8 milhões de euros. A dívida herdada ascende aos 22,5 milhões e as obrigações financeiras de curto prazo são de 5 milhões.

A empresa municipal é detentora de, por exemplo, uma loja em Lisboa num centro comercial e a câmara possui um hotel de cinco estrelas completamente remodelado a expensas dos munícipes. Só que está encerrado. De caminho foi concedendo a exploração de uma pedreira dentro da área de influência de instalações termais. Deve ser novo tipo de tratamento médico.

Desde Outubro, a nova vereação já desactivou mais de sete centenas de postos de iluminação pública considerados supérfluos. Ao que nos dizem, muitos limitavam-se a iluminar pinheiros.

E o problema é que isto passa-se em muitas autarquias e até aqui ainda não vi ninguém a ir para o chilindró por causa do que fazem com os dinheiros públicos.

publicado por maratonista às 10:57
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De Aragana a 5 de Abril de 2006 às 14:53
CHICHA!!!
Opá... é a velha máxima.. se não os consegues vencer... junta-te a eles... sei lá...
Isto precisava era de gente com honestidade e um bom par de tomates no sítio!
De sofia a 5 de Abril de 2006 às 22:04
É uma vergonha!

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Sol & Sombra

. blue Wine

. O Monsto do Espaço

. the day after

. uma pausa

. trabalho infantil

. está calor, não está?

. gaspacho amim, gaspacho a...

. bizantinice

. so beautiful to me

.arquivos

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds