Terça-feira, 2 de Maio de 2006

(se um dia você vier...)

No meio do monte de livros, revistas, fotocópias e imensas outras coisas que atulham as estantes (e outros lugares onde pousar) do meu quarto, encontrei duas pastas com coisas que escrevi quando estava nos vinte e poucos anos. Este poema é engraçado. Escrito, como se percebe, a partir de uma canção de Vinicius de Morais, revela alguma ingenuidade.

 

(SE UM DIA VOCÊ VIER…)

 

Se um dia você vier
e me encontrar calado
não se vá embora. Não.
Se deite a meu lado
e me cubra de pranto
como se eu não tivesse esperanças,
como se não houvesse mais luz
para iluminar esta criança.

 
E se a noite estiver fria
é do contacto com o meu corpo,
esses fantasmas que voam no ar
desaparecem com um sopro.
Deixe então correr as lágrimas
como se fossem um exorcismo
capaz de me tirar esta pose,
de me sonegar deste abismo.

 
Mas se eu não acordar
com o sal das tuas lágrimas,
vai. E volta a amar.

publicado por maratonista às 19:58
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Sol & Sombra

. blue Wine

. O Monsto do Espaço

. the day after

. uma pausa

. trabalho infantil

. está calor, não está?

. gaspacho amim, gaspacho a...

. bizantinice

. so beautiful to me

.arquivos

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds