Quinta-feira, 11 de Maio de 2006

Matilde Rosa Araújo

"No meio daqueles alunos que perguntavam, ficaram muito sérios ou riam, me davam a força da ternura, não me apercebi da ausência daquela menina triste. Estava no momento de me despedir, agradecer a todos, professores e alunos, tanto amor que me fora dado, quando a menina triste que se ausentara chegou junto de mim. Com uma boneca de trapos, envelhecida pelo uso, nos seus braços magrinhos.
- Tome. É para si. Eu fui buscá-la.
Não nomeou onde fora. Mas onde chegou até mim.
Não podia aceitar.
- A boneca é tua. É a tua boneca!
- Aceite. Eu quero que fique consigo.
- Mas não…
Os olhos da menina, determinados, imploravam. Olhos maravilhosos e húmidos de uma fome que não é de pão. Compreendi. Os professores da escola ajudaram-me a compreender aquela dádiva única. Aquela boneca não lhe pertencia. Não tinha o direito de brincar numa casa sem amor. Menina que não era amada podia guardar a sua boneca de trapos? Boneca tão suja e tão linda!"

Esta história conta-a Matilde Rosa Araújo na sua curta autobiografia públicada na última página do penúltimo JL.
(deixo-a sem mais nada porque um homem também tem direito a se emocionar até às lágrimas)
publicado por maratonista às 10:08
link do post | comentar | favorito
4 comentários:
De Anónimo a 11 de Maio de 2006 às 12:17
Pois é, Carlos, e o pior é que, se estivermos atentos, apercebemo-nos de tantos seres como esta menina triste, abandonados a um mundo de afronta e desamor.
E não sei o que será melhor: ignorarmos, endurecermos, ou sermos quase sempre inutilmente permeáveis ao sofrimento dos outros. E se digo inutilmente, é porque, pelo menos no meu caso, tenho a noção da minha impotência para alterar estas situações.
Mas não consigo ser-lhe indiferente, não. Por muito que doa.
Deixo-te um abraço
De Anónimo a 11 de Maio de 2006 às 12:17
Pois é, Carlos, e o pior é que, se estivermos atentos, apercebemo-nos de tantos seres como esta menina triste, abandonados a um mundo de afronta e desamor.
E não sei o que será melhor: ignorarmos, endurecermos, ou sermos quase sempre inutilmente permeáveis ao sofrimento dos outros. E se digo inutilmente, é porque, pelo menos no meu caso, tenho a noção da minha impotência para alterar estas situações.
Mas não consigo ser-lhe indiferente, não. Por muito que doa.
Deixo-te um abraço
De Lucina Moon a 11 de Maio de 2006 às 12:18
O comentário anterior é meu.
De aragana a 12 de Maio de 2006 às 11:01
Bom dia.. tambem não sei o que se passa com o blogger... mas às vezes tb me acontece. acho que deve ser das horas do dia de maior trafego. Mas quando me acontece, dá-me erro...

Uma beijoca gorda para ti e um excelente fim de semana.

Não sei o que ias comentar no post do assédio, mas vindo de ti seria algo muito nobre, porque é como tu és, um homem muito nobre e cheio de valores.
;)
Beijinhos

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Sol & Sombra

. blue Wine

. O Monsto do Espaço

. the day after

. uma pausa

. trabalho infantil

. está calor, não está?

. gaspacho amim, gaspacho a...

. bizantinice

. so beautiful to me

.arquivos

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds